das ondas à juventude

A Waves Of Youth, nascida no verão de 2017 como um espaço de partilha entre amigos recém-formados em cinema documental, evoluiu no verão de 2020 para associação. Com esta mudança, a Waves Of Youth tornou-se mais aberta, pronta a albergar projetos vindos de fora, colaborações e pronta a produzir em qualquer ramo artístico. Abraçando essa metamorfose e bebendo dessa diversidade, rapidamente se percebeu a capacidade da colaboração entre estes jovens acabados de sair da escola de cinema e prontos a pôr em prática as suas ideias. Os primeiros anos pautaram-se pela experimentação e pelas primeiras comunicações com projetos encomendados. Um dos exemplos é Narciso, coprodução com a Bienal BOCA, onde o “artivismo” de Tânia Bruguera faz a mesma concentrar-se no poder institucional, nas fronteiras e na migração, umas das primeiras colaborações da Waves Of Youth.
Nos idos de 2018, com o passado documental dos seus elementos, a Waves Of Youth embarca no seu maior projeto até à data, um documentário sobre a atual crise migratória europeia denominado “Egeu”. Este projeto, uma coprodução com a Associação MEERU – Abrir Caminho e com a Jesuit Refugee Service da Grécia, leva-nos à costa do mar homónimo e às histórias dos que a terras helénicas conseguiram chegar. Documentário multipremiado, pelo Festival de Cinema de Aventura e pela Cáritas Portuguesa, levou, na sua estreia, a cidades como Sófia, na Bulgária, Salónica, na Grécia, Lisboa e Porto, em Portugal, o debate e a discussão sobre o que se passava em plena Europa em 2019 e agora, embalada pela iminente eleição de um novo Parlamento Europeu. Porque não só de cinema a Waves of Youth é feita, vários projetos musicais tiveram a produção da associação para a realização dos seus telediscos. De enumerar bandas e artistas como Grand Sun, Atalaia Airlines com David Bruno, Tiago Plutão e Vaarwell, artistas de uma nova vaga musical nacional e repletos de talento e novas ideias, que resultaram nos telediscos “Go Home”, “Primeira Classe”, “Homem da Montanha”, “Fall Back” e “Tomorrow”, respetivamente. Já em 2020, para além da evolução da Waves Of Youth para associação, viu também nascer o projeto “A Eternidade e Uma Noite”, em conjunto com a Escola Superior de Media Artes e Design do Politécnico do Porto. Um filme ficcional, estreado no maior festival de curtas-metragens nacional e recém premiado nos Prémios Sophia Estudante, da Academia Portuguesa de Cinema. De referir também a colaboração em “Um Punk Chamado Ribas”, o primeiro documentário musical da Waves Of Youth, centrado em João Ribas, uma das maiores figuras da cena Punk nacional. Do mesmo autor, surge em 2021 “Já Estou Farto!”, documentário do mesmo cariz com foco em João Pedro Almendra, também ele uma figura de proa do Punk em Portugal. Importa também mencionar as Residências em Cinema Documental da Waves Of Youth, com a produção de onze curtas-metragens documentais ao longo de outras tantas residências, em parceria com onze municípios, onde se pretendeu arquivar tradições, linguajares, histórias, costumes e práticas em extinção. O objetivo do projeto foi contribuir para um arquivo audiovisual sobre o património imaterial da Lezíria do Tejo, explorando temas que abordam a história da região, promovendo o documentário e o aparecimento de novos percursos técnicos e artísticos. Nato em 2022, surge o projeto “Às Vezes Os Dias, Às Vezes A Vida” — curta-metragem de Janine Gonçalves, que conta a história de uma mãe, mãe essa que, pelos caminhos da vida, se esquece que é mulher. Com estreia no cinema de São Jorge, no festival IndieLisboa, na sua 19ª edição, e com destaque no festival Caminhos do Cinema Português, onde obteve menção honrosa. O projeto “Coletivo Habitacional”, por Carolina Faria, Micael Sousa Ferreira e Susana Domingos Gaspar, ganha vida também neste ano, como um grito em resposta a este tema sensível que é a habitação, a falta dela, uma coreografia política que desafia a dança a debruçar-se sobre as questões basilares da vida. Entre todos estes projetos, a associação trabalha regularmente com entidades públicas e privadas, elaborando encomendas e colaborações com a BoCA - Biennal of contemporary arts , o festival FUTURAMA a Associação MEERU – Abrir Caminho, a associação Materiais Diversos, o estúdio Tipo—grafia entre outros.
Waves Of Youth, born in the summer of 2017 as a sharing space between friends recently graduated in documentary filmmaking, evolved in the summer of 2020 into an association. With this change, Waves Of Youth became more open, ready to host projects coming from outside, collaborations and ready to produce in any artistic field. Embracing this metamorphosis and drinking from this diversity, the capacity of collaboration between these young people fresh out of film school and ready to put their ideas into practice quickly became apparent. The first years were marked by experimentation and the first communications with commissioned projects. One of the examples is Narciso, co-production with the BOCA Biennale, where Tania Bruguera's "artivism" makes it focus on institutional power, borders and migration, one of the first collaborations of Waves Of Youth.
In 2018, with the documentary background of its elements, Waves Of Youth embarks on its biggest project to date, a documentary on the current European migration crisis called "Aegean". This project, a co-production with MEERU - Abrir Caminho Association and the Jesuit Refugee Service of Greece, takes us to the coast of the homonymous sea and to the stories of those who managed to reach Hellenic lands. Multi-award winning documentary, by the Adventure Film Festival and Cáritas Portuguesa, took, in its premiere, to cities like Sofia, in Bulgaria, Thessaloniki, in Greece, Lisbon and Porto, in Portugal, the debate and discussion about what was happening in the middle of Europe in 2019 and now, rocked by the imminent election of a new European Parliament. Because Waves of Youth is not only made of cinema, several musical projects had the association produce their videoclips. Bands and artists such as Grand Sun, Atalaia Airlines with David Bruno, Tiago Plutão and Vaarwell, artists of a new national musical wave and full of talent and new ideas, which resulted in the videos “Go Home”, “Primeira Classe”, “Homem da Montanha”, “Fall Back” and “Tomorrow”, respectively. In 2020, in addition to Waves Of Youth evolving into an association, it also saw the birth of the project "A Eternidade e Uma Noite", in conjunction with the Escola Superior de Media Artes e Design do Politécnico do Porto. A fictional film, premiered at the biggest national short film festival and recently awarded at the Sophia Student Awards, of the Portuguese Academy of Cinema. It is also worth mentioning the collaboration in "Um Punk Chamado Ribas", the first musical documentary of Waves Of Youth, centered on João Ribas, one of the biggest figures of the national Punk scene. From the same author, "Já Estou Farto!" was released in 2021, a documentary of the same nature focusing on João Pedro Almendra, also a leading figure of Punk in Portugal. It is also important to mention the Waves Of Youth Documentary Film Residencies, with the production of eleven documentary short films over the course of as many residencies, in partnership with eleven municipalities, where the aim was to archive traditions, languages, stories, customs and practices that are disappearing. The aim of the project was to contribute to an audiovisual archive on the intangible heritage of the Lezíria do Tejo, exploring themes that address the history of the region, promoting documentaries and the emergence of new technical and artistic paths. Born in 2022, the project "Às Vezes Os Dias, Às Vezes A Vida" appears - short film by Janine Gonçalves, which tells the story of a mother, a mother who, through life, forgets that she is a woman. It was premiered at São Jorge cinema, at the IndieLisboa festival, in its 19th edition, and at the Caminhos do Cinema Português festival, where it received an honourable mention. The project “Coletivo Habitacional”, by Carolina Faria, Micael Sousa Ferreira and Susana Domingos Gaspar, also comes to life this year, as a scream in response to this sensitive issue that is housing, the lack of it, a political choreography that challenges dance to address the basic issues of life. Among all these projects, the association works regularly with public and private entities, elaborating commissions and collaborations with BoCA - Biennal of contemporary arts, FUTURAMA festival, MEERU - Abrir Caminho Association, Materiais Diversos association, Tipo-grafia studio, among others.